O embarque

O embarque

Digo sempre que o início da minha caminhada deu-se por volta dos meus 6/7anos de idade, quando a minha mãe aceitou Jesus Cristo como seu único Senhor e Salvador. Recordo-me que descobri Jesus nos princípios da minha mãe, todos eles baseados na Bíblia Sagrada.


Cresci e como qualquer jovem repleta de planos e sonhos, dentre eles o de entrar para a aviação civil, mas carreguei sempre comigo o alvo principal que é servir a Deus.

Ah, como eu admiro a aviação!

Foi de tamanha alegria o meu ingresso no ramo, planeei a minha caminhada de forma a ser uma excelente profissional, mas Deus tinha planos totalmente contrários e maiores para mim.

Acredito que o altruísmo que carrego é obra desse Deus maravilhoso,

Pois Ele já sabia que ao embarcar no voo por ele preparado, me tornaria Pastora.

Quem diria!

Quem diria que o meu sonho com a aviação estava relacionado a voos maiores em que sem olhar para trás embarquei na certeza, de que independente de todo o mau tempo que surgir e desconhecer o destino, o meu Piloto Jesus Cristo, há de aterrar sempre em paz e segurança.

Hoje percebo o real significado do que é “Confiar no senhor de todo o coração”

“Menina_dos_olhos_de_Deus”

#caminhada #vidacomDeus #confiaremDeus

Comentários

Estou velho, e agora?

Estou velho, e agora?

“As pessoas crescidas gostam de números. Quando lhes falam de um amigo novo, nunca perguntam nada de essencial. Nunca perguntam: «Como é a voz dele? A que é que ele gosta mais de brincar? Faz coleção de borboletas?»
Em vez disso, perguntam: «Que idade tem? Quantos irmãos tem? Quanto é que ele pesa? Quanto ganha o pai dele?» Só então julgam ficar a saber quem é o vosso amigo.”
(“O Principezinho” de Antoine de Saint-Exupéry

Vivemos na era dos números. Habituamo-nos a pensar que somos os números que carregamos. Sobretudo os números da idade e do salário.

Mas a vida, felizmente, teima em discordar. Não somos matemática. Não somos números e os números não definem a nossa essência.

Naturalmente, como coordenadas, estes números ajudam-nos a ajustar comportamentos. A encontrar o nosso lugar ao longo do percurso da vida.
“Quando eu era menino, falava como menino, pensava como menino e raciocinava como menino. Quando me tornei homem, deixei para trás as coisas de menino.”
(1Coríntios 13)

A isto chamamos crescer. Amadurecer. Envelhecer.

Sim, é um facto: nós envelhecemos! E ninguém pode mudar isso! O problema está em não sabermos envelhecer. Não é uma fatalidade. É uma dádiva! É um privilégio! Não é um dia a menos. Se aprendermos a contar os nossos dias, somando-os em vez de os subtrair, então o nosso coração alcançará sabedoria. (Salmos 90) E alegria! E muita gratidão por cada cabelo branco, por cada lição aprendida, por cada provação superada.

Em certas culturas, como a japonesa e a índia, os mais velhos são honrados. O conselho sábio do ancião é desejado. A idade é apreciada. Porque é preciso viver para saber do que a vida é feita. Todavia, o frenesim da cultura ocidental encosta os mais velhos a um canto. Esquecidos. A pandemia veio piorar as coisas. E o que deveria ser um processo natural, recompensador, uma coroa de honra (Provérbios 16), acaba por ser um pesado fardo.

Se é novo, respeite os mais velhos e prepare-se para a sua vez. Estamos todos na corrida!

Se é mais velho, parabéns! Viveu o que mais ninguém alguma vez viverá. A sua vida, uma coleção de dias, entre erros e vitórias, é inédita e irrepetível. Em nenhum outro tempo, e em nenhum outro lugar, alguém viverá uma vida exatamente igual à sua. Você criou uma história única!

Esteja recetivo ao que a vida ainda tem reservado para si. Mantenha-se apto para ensinar. Que  legado quer deixar para os que ficarão depois de si? Que memórias terão de si? Que lições poderá ainda partilhar? A sua corrida não acabou. Agora que está mais velho, de cabelos brancos, agarre-se a Deus mais do que nunca, para que possa falar da Sua força e do Seu poder às futuras gerações. (Salmos 71).

“Mãe de três”

#motivação #idade #envelhecer #legado