O dia em que a minha paciência entupiu

O dia em que a minha paciência entupiu

Não é incomum as criancinhas fazerem traquinices e aumentarem a probabilidade em 200% de fazerem crescer cabelos brancos aos pais antes de chegarem aos 40. Note-se que só falei nos pais, porque eu como mãe devo ter “paciência de Jó”. É que nestes fios de cabelo que Deus me deu, continua tudo fresquinho e sem nuances brancas.

Mas a verdade é que existem crianças mais calmas, mais ponderadas e mais “pés assentes na terra”. E há outras que… não. E eu tive a oportunidade de dar à luz a esses dois extremos.

Mas não vos enganeis. O “pacientómetro” tanto bate forte numa como em outra. E um dia essa paciência entupiu. Literalmente.

Em tempos de confinamento que já lá vão, a mais nova chamou-me intrigada porque algo de errado se passava com a sanita. Lá fui eu. Olhei e vi que estava entupido de toalhitas. Daquelas húmidas e perfumadas que os peritos não aconselham a deitar pelo cano abaixo. Mas então ali estávamos.

“O que é que aconteceu aqui?”
“Eu não faço ideia mamã…”
“A embalagem inteira de toalhitas está ali dentro. Quem é que fez isto?”
“Não sei mamã…”

Mas nós mamãs, sabemos. Sabemos exatamente o milésimo de segundo em que eles nos estão a mentir. E com a minha paciência já entupida, voltei a perguntar o que aconteceu.

“Ok… Fui eu…”
Motivo? Não foi identificado.

Só sei que eu e a minha luva de borracha passámos um momento bonito a tirar o quilo de toalhitas de dentro da sanita.
Não foi um trabalho prazeroso nem tão pouco gratificante. Mas alguém tinha que o fazer.

Quando sentes que a tua paciência entupiu, nada melhor que respirar fundo e.… desentupir. Não é fácil, mas alguém tem que o fazer. E esse alguém és tu. Escrevo isto enquanto me olho no reflexo do monitor que faz de espelho.

Desentope tudo. Descomplica tudo… para que esse tudo possa fluir no sentido certo.
E contenta-te com um sincero “Desculpa mamã, não volto a fazer isto.”

É confiar e seguir em frente.

“Mais ainda, alegramo-nos nos nossos problemas, porque os problemas produzem a paciência; e a paciência produz a firmeza de carácter nas dificuldades e a esperança.
Esta esperança não nos engana, porque Deus encheu-nos o coração com o seu amor, por meio do Espírito Santo, que é dom de Deus.”

Romanos 5:3, 4


“Flor de sal”

 #flordesal #pacienciademae #paciencia

Comentários

Sobre a Igualdade e Partilha (de Chocolate)

Sobre igualdade e partilha (de chocolate)

Olá, o meu nome é Flor de Sal e NUNCA fui viciada em chocolate. Isto até à minha primeira gravidez. Mas não é do chocolate que eu queria falar e muito menos de gestações.

Queria falar sobre partilha. Partilha de chocolates e doces (eu não queria falar de chocolate, mas é mais forte que eu).

Tenho uma irmã com 3 anos de diferença e desde novas sempre dividimos os doces que nos davam. Não. Vocês não estão a entender. Nós medíamos as tabletes com uma régua (não confundir com as modernices dos tablets de agora) e quase que distribuíamos as migalhas que sobravam. E sempre acontecia este fenómeno: a minha irmã acabava de comer a parte dela muito mais rápido que eu e depois ia à caça da MINHA parte. E quando se tratava de chocolate, eu acabava sempre por ceder, porque… não era a minha cena.

Muitos anos depois, revejo-me a fazer o mesmo por casa. É para dividir fatias de pizza? Vamos a isso… É para dividir fatias de bolo? Nem brinquem comigo. Fazer arroz a mais? Nem pensar, tudo feito à medida do estômago de cada um.

Se sou capaz de deixar de comer uma fatia de bolo para dar às minhas filhas? Por quem me tomam? Claro que sim!

Se também sou capaz de comer uma fatia de bolo às escondidas para elas não verem?

Quem nunca o fez que (me) atire a primeira fatia.

Posto isto, o meu marido diz que detesta quando eu me ponho a dividir comida.

“Deixa-nos comer à vontade!!”.

Ok. Ok. Já percebi. Que mania a minha.

Não é que eu tenha receio que vá faltar depois ou que é injusto uns comerem mais que outros. É o sentimento de que consegui dividir “irmãmente” e consequentemente, todos vão ficar felizes.

Agora, se há cedências? Se há partilha do que já foi dividido? Sem dúvida!

Já aconteceu a mais nova ter comido a sua parte do chocolate e ter começado a chorar porque a mais velha ainda tinha chocolate. E o que se passou a seguir, foi algo memorável: sem eu ter dito nada, a mais velha partiu ao meio o chocolate dela e partilhou-o com a irmã mais nova. Esta parou imediatamente de chorar e deu-lhe um abraço enorme. Depois saíram as duas de mãos dadas.

Bonito, não é? Mas foi a escolha delas. E realmente, ninguém perde nada em partilhar o que tem. E se forem doces, só perde a oportunidade de ter mais açúcar no sangue. 😉

II Coríntios 8:14
“Aquilo que neste momento te sobra, que sirva para compensar o que faz falta ao outro; para que o que o outro tiver em abundância, compense no que te faz falta. É assim que se cria a igualdade
[e o equilíbrio!].”

“Flor de sal”

 #flordesal #partilha #chocolates #igualdade